sábado, 9 de março de 2013

Balanço da reunião realizada na ceilândia antes da votação do nosso aumento


Policiais militares, Bombeiros e Policiais Civis perto do reajuste – A bancada do DF no Congresso marcou para a próxima terça-feira, dia 12/03, a apreciação dos projetos de reajuste salarial e aumento do efetivo dos militares e policiais civis do DF. Nos bastidores afirma-se que a votação ocorrerá desde que não sejam apresentadas emendas. O problema é que a bancada já havia prometido às entidades representantes das categorias o atendimento das solicitações de alterações ao projeto que, agora, terão de ser negociadas com a ministra de Relações Internacionais, Ideli Salvati, e com o Ministério do Planejamento. “A democracia só existe com o diálogo. O GDF não ouviu a categoria na elaboração do projeto de reajuste, que concede 15,8% de aumento aos militares, pagos em três anos. A bancada do DF, ao contrário, quer dar voz àqueles que defendem o cidadão todos os dias mesmo com total desmotivação”, defendeu o coordenador da bancada, deputado Luiz Pitiman.

Em reunião iniciada hoje por volta de nove horas da manhã, na Escola Técnica de Ceilândia, com a presença de aproximadamente 100 (cem) policiais, do deputado Luiz Pitiman, coordenador da Bancada, e da Deputada Érica Kokay vários pontos de uma possível emenda foram debatidos, demonstrando um grande amadurecimento de nossa categoria. Estamos aprendendo a fazer mais política de bastidor e menos política de trio elétrico. É importante ressaltar e parabenizar a postura e trabalho, em especial, dos companheiros da Rede Democrática (Ronner e Louzeiro) e da Armilc (Pato).
A deputada Érica Kokay defendeu categoricamente que é possível apresentar as  emendas e que isso não atrapalha em nada o andamento do projeto de lei. Que a apresentação de emendas reflete apenas que não houve uma negociação adequada por parte do executivo. Para ela, a abertura da discussão sobre o tema no parlamento é “assegurar  a voz dos policiais na construção de seu próprio futuro”. Ainda em sua fala, ela afirma que certas comissões apreciam o mérito da matéria e não o impacto financeiro. Que apresentá-las e ampliar o debate sobre temas importantes.  O deputado Pitiman afirmou em seu discurso que “não aceitariam a intransigência do governo, no que se refere a discutir as emendas.” E que em um primeiro momento duas emendas foram priorizadas. Segundo sua assessoria foram aquelas apontadas pela consultoria legislativa como viáveis. Precisamos saber quais são as outras viáveis…
Foi proposta uma reunião com a bancada na próxima segunda-feira, em especial para tratar diretamente com o relator do projeto Deputado Policarpo, pois é aquele que está “empoderado” para avaliar as questões afetas ao tema, inclusive o de atender a alguns “interesses prioritários”.
Um ponto importante nessa reunião foi o debate promovido sobre um tema que fora apresentado como consenso e no final ficou provado que não era. Foi apresentada uma proposta que AUMENTARIA A IDADE PARA INGRESSO NO QOPMA PARA 59 (CINQUENTA E NOVE) ANOS. Algo perigoso. Não é bom apresentarmos questões fechadas voltadas para aumento idade, principalmente aquelas que podem gerar margens para um possível aumento de idade de contribuição ou de permanência obrigatória na Corporação por mais de 30 (trinta) anos. Cinquenta e nove anos em minha opinião está muito próximo de 65 (sessenta e cinco) anos, idade mínima para aposentadoria no mundo civil…
Precisamos definir nossas prioridades e posteriormente avançar para outras conquistas. A maior prioridade é a manutenção das conquistas e posteriormente a conquistas de outras. 
Nosso maior anseio hoje, creio eu, é a redução do interstício e a redução dos poderes do comando-geral nesse processo. Não podemos nos tornar reféns de comandantes. Nosso referencial tem que ser a lei. Precisamos reduzir ao máximo possível o interstício para as promoções  e quiça chegarmos ao ponto, um dia, de acabar com ele. Outro ponto interessante é a equiparação de cursos, pois beneficiará os companheiros da inatividade. Precisamos ficar atentos.
Afinal, o que é prioridade nesse momento? Equiparação de Cursos? Auxílio inatividade? Interstício? Aumento de idade para ingresso no QOPMA? Quadro de especialistas? Precisamos definir isso ainda essa semana…
Congresso_Nacional
Fonte:http://aderivaldo23.wordpress.com/author/aderivaldo/ - 09.03.2013
Postado por:joseny candido - crcs/pmdf
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial