segunda-feira, 8 de abril de 2013

POLÍTICA - Roriz na Catedral e ela não foi, por quê?



 Apergunta sem resposta ecoa durante vários dias em todo Distrito Federal e poderá ser respondida hoje

Nos últimos dias o mundo político se mexe frivolamente, uns alegres, outros preocupados com o que resultará do tão propalado encontro ocorrido entre o vice-governador do DF com o ex-governador Roriz, alguns políticos até já se lançam como os responsáveis pelo fato de juntos terem aparecido em público.Mas todos se negam a comentar sobre a ausência daquela mulher aparentemente frágil, pequena na estatura, gigante quando se trata de defender a família, eterna apaixonada pelo marido que tem há exatos 53 anos, diga-se de passagem o único, coisa difícil nos tempos atuais, quando casa-se e separa-se, troca-se de marido e de mulher como se troca de marca de refrigerantes. Detentora de uma coragem que faz inveja a muitos, que como dizem os mais velhos, vestem calças e se dizem homens.

Pelo marido foi capaz de ir até ao mais árduo sacrifício pessoal e político, ao se deixar lançar candidata ao governo do DF, enfrentando Agnelo Queiroz que tinha na sua chapa o atual vice-governador.

Os que conhecem bem a família Roriz sabem da religiosidade que une o casal Weslian e Joaquim. De temperamento forte e coragem incomensurável, Dona Weslian não acompanhou Joaquim, é assim que ela trata o ex-governador.

Pois bem, as pessoas que privam da intimidade do casal dizem que a ausência dela é um sinalizador de sua “boa vontade” para o encontro.

Já outros riem dos que creem na possibilidade de Roriz apoiar o vice-governador com as bênçãos de Weslian em uma possível candidatura majoritária ao Palácio do Buriti, se dependesse só de Roriz seria até possível.

A ausência da matriarca da família Roriz na catedral de Brasília naquela manha de sábado não foi um fato rotineiro na vida do casal, foi uma reação, um gesto calculado e proposital da esposa que não esqueceu de ter visto o marido ser compelido a se retirar de um partido político com o apoio do algoz que foi projetado, gestado, apoiado e lançado na vida política da cidade às custas de seu maior patrimônio – a família Roriz.

Comenta-se a boca miúda no mundo político que amanhã as duas principais figuras daquele episódio voltam a se encontrar.

Será que dessa vez Dona Weslian se fará presente? Aí quem sabe compreenderemos o motivo de sua ausência, naquele sábado na casa comandada por Francisco.

Fonte: EdsonSombra - Via Cafezinho

Reproduzido por: joseny lopes 08.4.2013
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial