quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Saúde de Agnelo piora a cada dia; o MP deve agir, diz Liliane

Saúde de Agnelo piora a cada dia; o MP deve agir, diz Liliane

Foto: Editoria de Imagem de Notibras
Foto: Editoria de Imagem de Notibras

Da última vez em que se escreveu na manchete de Notibras a expressão ‘merda’, o governador Agnelo Queiroz demitiu o presidente da Terracap. Nesta quinta 29, a deputada Liliane Roriz, uma verdadeira dama, não utilizou o termo. Mas fez críticas severas ao sistema público de saúde do Governo do Distrito Federal, que, pela gravidade, endossamos.
O quadro pode ser resumido numa única palavra: terror.  O adjetivo aterrorizante serve para ilustrar o arrepiante quadro em que se encontram os hospitais administrados pelo governador e por seu secretário de Saúde Rafael Barbosa.  E o povo que elegeu Agnelo, que não tem plano de saúde, vive em constante pavor ao sinal de uma simples dor de cabeça.
Não é a primeira vez que Notibras procura alertar o Palácio do Buriti para a bagunça reinante em uma das áreas prioritárias para qualquer administrador público. Falar de descaso com a saúde é pouco. A situação é de loucura, de uma insanidade que se alastra como se portas de hospícios tivessem sido abertas e os pacientes se acomodassem nas cadeiras de Agnelo e de Rafael.
A qualquer sinal de crise no setor, Rafael Barbosa s veste com a máscara de um avestruz e enterra a cabeça no primeiro buraco que encontra pela frente. Fraco, incapaz, age como se não tivesse nada a ver com o assunto. E manda que seu subalterno Miziara dê explicações inexplicáveis para o que todo mundo vê.
Desde a tarde desta quinta-feira 28 o Ministério Público tem em mãos um relatório elaborado pela Comissão de Saúde da Câmara Legislativa. O documento revela problemas da maior gravidade no Hospital Regional de Planaltina, um dos maiores do Distrito Federal. São fatos que fazem cair a máscara atrás da qual o secretário Rafael Barbosa costuma se esconder.
As fotos anexadas ao relatório falam por si. Eequipamentos radiológicos encaixotados há pelo menos três anos nas dependências da unidade hospitalar; pacientes atendidos em macas improvisadas no corredor do pronto socorro, enquanto muitas caixas com camas elétricas virgens estão expostas ao sol e à chuva na área externa do hospital.
A insensatez é tanta, que o descaso chega a prontuários de pacientes e ex-pacientes. São documentos amontoados, lembrando uma lixeira a céu aberto, ao lado de baldes, cadeiras e móveis velhos. Caixas de papelão e equipamentos inutilizados acumulam-se e formam um verdadeiro entulho em área que deveria ter controle sanitário.
Para Liliane Roriz, a situação é de calamidade pública. O quadro caótico, diz ela, bem mostra em que mãos estão os pacientes do Hospital de Planaltina. “Além de possuir equipamentos novos e encaixotados enquanto a unidade carece de aparelhagem, esse entulho com prontuários e material inutilizado tem sido um verdadeiro convite para bichos peçonhentos e animais que trazem doenças, como ratos, pombos e baratas. Um verdadeiro absurdo”, relatou a parlamentar.
A Promotoria de Saúde do Ministério Público e o Conselho Regional de Medicina foram alertados. A intervenção na Secretaria de Saúde é vista como uma das alternativas. O lamentável é que o governador, que se disse médico na campanha eleitoral e que faria da Saúde de Brasília um exemplo para o Brasil, sofreu um ataque de amnésia.
Não se sabe se é um quadro dissociativo ou histérico. O certo é que, se Agnelo continuar relaxado, se esquecendo de cumprir o que prometeu, será o caso de trazermos não médicos cubanos, mas alemães. Esses, sim, sabem tratar Alzheimer.
JOZENY LOPES 30082013
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial