sábado, 1 de março de 2014

Liberdade de policiais é assunto para Justiça e PM resolverem, diz GDF

Liberdade de policiais é assunto para Justiça e PM resolverem, diz GDF


Policiais militares deixam entrada da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)Policiais militares deixam entrada da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)
O governo do Distrito Federal divulgou nota na noite desta quarta-feira (26) informando que “reconhece como legítima” a preocupação manifestada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, sobre o protesto de policiais militares realizado durante à tarde no Congresso.Um grupo de PMs ocupou a entrada da Câmara dos Deputados para pedir que 12 PMs presos por suposto envolvimento na operação tartaruga sejam soltos. O grupo, que também manifestou contra a proposta de reajuste salarial apresentada pelo GDF, deixou o prédio cerca de uma hora depois.
O GDF esclareceu na nota que há “expectativa de relaxamento da detenção dos policiais militares” e que diante disso, “as autoridades que presidem os inquéritos policiais militares (IPMs) e o Poder Judiciário” são responsáveis por analisar o caso.
PMs presos estão na Papuda
O estudante de aviação civil Elienai Meireles Sanches, de 22 anos, afirma que o pai, Valdez Sanches da Costa, 1° sargento do Batalhão de Polícia Militar Ambiental, foi preso injustamente por incitar outros policiais a aderirem a atos de desobediência e desordem.
Valdez Sanches da Costa, 1° sargento do Batalhão de Polícia Militar Ambiental, foi preso, segundo o filho, por incitar outros policiais a aderirem a atos de desobediência e desordem. (Foto: Arquivo pessoal / Divulgação)
Valdez Sanches da Costa, 1° sargento do Batalhão de Polícia Militar Ambiental, foi preso, segundo o filho, por incitar outros policiais a aderirem a atos de desobediência e desordem. (Foto: Arquivo pessoal / Divulgação)
O PM foi preso na sexta-feira passada (21) depois de ter se recusado, segundo o filho, a dirigir uma viatura da PM. O pai diz que concluiu um curso para direção de veículos, mas que essa habilitação não vale para um tipo de caminhonete nova adquirida recentemente pela corporação, segundo o relato de Sanches.
O estudante conta que o pai estava com a família em casa quando recebeu uma ligação do comando da PM solicitando que ele comparecesse no batalhão onde servia. Costa saiu de casa por volta das 16h. Chegando ao batalhão, foi chamado para uma reunião que só terminou à noite. Foi quando o filho conversou com o PM por telefone. “Ele disse que não iria voltar para casa naquele dia e pediu que nós não nos preocupassemos com a situação. Ele acreditava que iria ficar preso por pouco tempo”.
Sanches diz que o pai está na PM há 27 anos e que nunca cometeu atos de indisciplina. O policial está numa ala do presídio da Papuda, chamada de Papudinha, onde ficam presos os policiais militares. As visitas só são liberadas aos sábados.
Costa e outros sete policiais militares, que também foram presos por incitar atos de desobediência, disse Sanches, ocupam celas individuais. “Eles tem autorização para pedir que funcionários comprem comida de fora. As refeições são preparadas lá mesmo”, contou o estudante. “Meu pai está num estado emocional muito abalado e já emagreceu bastante. Em toda minha vida, o vi chorando poucas vezes. Após saber que minha mãe e minha irmã tiveram que ficar nuas durante a revista antes de visita-lo ele desabou”, afirma o filho do PM.
Reajuste
No último dia 18, uma assembleia marcada por oficiais, realizada no Clube de Oficiais da PM, decidiu aceitar a proposta de reajuste feita pelo governo do DF à categoria. Na manhã da mesma data, outra reunião em frente ao Palácio do Buriti havia rejeitado o plano de reajuste e reestruturação da categoria.
O GDF ofereceu aos policiais militares reajuste de 22% nos salários escalonado em três anos, para aproximar os salários da PM com os da Polícia Civil. No caso dos benefícios, os reajustes variam entre R$ 560, para praças, e R$ 1,2 mil, para oficiais. Pela proposta, o pagamento será feito com recursos do governo local, por meio de decreto.
Policiais militares ocupam entrada da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)Policiais militares ocupam entrada da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)
Operação tartaruga
Policiais militares entraram em operação tartaruga em outubro do ano passado para reivindicar reajuste salarial, reestruturação da carreira e pagamento de benefícios a PMs em atividade e policiais reformados. O governador Agnelo Queiroz afirmou que o movimento tinha caráter político.
Por participação no movimento, doze policiais militares foram presos entre a última quinta e sexta (20 e 21). Os policiais presos são suspeitos de vários crimes militares, incluindo incitação à desobediência, incitação à violência e publicações indevidas. O primeiro deles, preso na noite de quinta, é um soldado suspeito de desacatar ordens de superiores.
PM faz cordão de proteção na entrada da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Felipe Neri/G1)
PM faz cordão de proteção na entrada da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Felipe Neri/G1)
Segundo o corregedor-geral da PM, Civaldo Florêncio, os policiais divulgaram postagens em redes sociais e espalharam e-mails sobre a operação tartaruga. “Não se tratam de bandidos ou marginais. Essas medidas visam reestabelecer a ordem e a hierarquia dentro da PM”, disse.
A previsão é que os policiais fiquem presos por 30 dias, período que pode ser estendido até o fim do inquérito. Foram abertos processos administrativos contra os policiais presos nesta sexta. Os processos podem originar de advertência até a expulsão da corporação, explicou o corregedor. Além disso, os policiais podem pegar até dois anos de prisão caso sejam condenados.
Policiais militares tentam entrar na Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)Policiais militares tentam entrar na Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)
A categoria ficou dividida depois que o GDF encerrou as negociações sobre reajustes salariais publicando, na quarta, dois decretos. Os líderes das associações decidiram em reunião não se posicionar contra a medida, mas anunciaram que vão enviar carta de repúdio a Agnelo Queiroz.
Em um e-mail divulgado na noite de quarta, havia orientações para que a categoria boicote as atividades. Entre elas, está até mesmo dar informações incorretas a turistas estrangeiros durante a Copa do Mundo, orientando-os a ir a lugares a mais de 40 quilômetros do centro de Brasília, onde ocorrerão os jogos.
“[Sobre] informações aos turistas estrangeiros: oriento-os de maneira incorreta (mande-os para o Sol Nascente, Águas Lindas, Planaltina, Vale do Amanhecer etc.), e só os ajudem, claro, de forma incorreta, se ele (estrangeiro) souber falar português (mesmo que o policial saiba falar outra língua)”, diz o e-mail que circula entre os PMs. O texto não é assinado.
Por Ricardo Moreira
Fonte:http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2014/02/26
SGT JOSENY LOPES 
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial