segunda-feira, 14 de abril de 2014

Greve dos metroviários continua


Greve dos metroviários continua

Assembleia decidiu, por unanimidade, rejeitar as propostas apresentadas nas últimas reuniões com o GDF/Metrô-DF
A via-crúcis dos passageiros que utilizam os serviços da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) segue por tempo indeterminado. Em assembleia realizada na noite des domingo (13), na Praça do Relógio, em Taguatinga, cerca de 150 metroviários rejeitaram, por unanimidade, as propostas do Governo do Distrito Federal (GDF) e decidiram seguir com a paralisação até que as principais exigências sejam atendidas. Segundo o Sindicato dos Metroviários do Distrito Federal (SindMetrô-DF), durante a greve 30% dos servidores irão continuar trabalhando.
A categoria realiza uma manifestação nesta segunda-feira em Águas Claras. Eles reivindicam correção das distorções salariais do plano de carreira, redução da jornada de trabalho para seis horas, reajuste salarial de 10%, previdência complementar e aumento da quebra de caixa da bilheteria.
Leia mais na edição desta segunda (14) do Jornal de Brasília.

Veja a nota do GDF na íntegra:
"O GDF/Metrô-DF está buscando entendimento para avançar nas negociações com a direção do Sindmetrô/DF. Foram realizados vários encontros com a categoria desde janeiro de 2014, porém, não houve acordo nas cláusulas consideradas essenciais, o que levou a categoria decidir pela realização da greve de seis dias.
O GDF/Metrô-DF ajuizou o dissídio de greve, o que levou o Tribunal Regional do Trabalho da 10ª região (TRT-10) a marcar uma audiência de conciliação que aconteceu na última quarta-feira (9) com a intermediação do presidente do TRT, André Damasceno, e de representante do Ministério Publico do Trabalho.
Na última audiência realizada no TRT-10, no dia 11 de abril de 2014, com o aval da justiça trabalhista, o GDF/Metrô-DF avançou ainda mais em todas as propostas que foram consideradas cruciais em acordo com o Sindmetrô-DF. O sindicato desconsiderou os avanços nas propostas colocadas e rejeitou a mesma na mesa de negociação.
O GDF/Metrô-DF reafirma para população do Distrito Federal, conforme tabela abaixo, que a categoria recebeu aumento de salário médio, em 2013, de 96%. Este valor de reajuste só foi alcançado com um esforço na superação de gestão do atual governo para valorizar a categoria dos metroviários, bem como garantir à população do DF o melhor serviço de transporte público.
Veja a evolução salarial concedida em julho 2013 aos metroviários conforme a tabela abaixo:

EVOLUÇÃO SALARIAL – METRÔ-DF
EMPREGOS
SALÁRIO MÉDIO
PERCENTUAL DE REAJUSTE
APÓS O PCS,
EM RELAÇÃOA MARÇO/2013
Em 01/03/2013
Em 01/07/2013
Com o novo Plano de Cargos e Salários - PCS
Agente de Segurança - AS
1.835,77
3.190,36
74%
Inspetor de Segurança - IS
3.558,60
5.832,17
64%
Agente de Estação - AE
1.867,90
3.932,54
111%
Inspetor de Estação - IE
3.508,37
7.278,82
103%
Pilotos
2.241.02
4.644,91
107%
Inspetores de Tráfego - IT
3.681,25
7.388,58
101%
Controladores
4.374,62
7.846,06
79%
Aux. Serv. Ger./Telefonista
1.678,49
3.188,30
90%
Motorista
1.556,02
2.912,47
87%
Eletricista, Mecânico e Auxiliar
2.281,13
4.530,31
99%
Assistente Administrativo
2.554,56
4.739,17
86%
Nível Técnico
3.271,09
6.448,90
97%
Nível Superior
6.540,75
10.041,88
54%
REAJUSTE MÉDIO CONCEDIDO
96%


 Após reunião realizada, no dia 10 de abril, entre o Metrô-DF e o sindicato, com a intermediação do TRT-10 e do Ministério Público do Trabalho, foram escolhidos cinco pontos principais. São eles:
1 - Correção Salarial – com base na tabela salarial acima discriminada, o GDF/Metrô-DF propõe reajuste pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) (estimado em 5,62% mais 1,5% de ganho real), totalizando 7,12% aplicado sobre todas as verbas salariais e todos os benefícios;
2 - Aumento da gratificação de quebra de caixa - O GDF/Metrô-DF propõe aumento de quebra de caixa de 70 para 110 bilhetes de forma integral;
3 - Correção das eventuais distorções para empregados da Operação (pilotos, segurança e controladores) - Correção das distorções para as categorias citadas em etapas a partir deste ano até 2016;
4 - Implantação da Previdência Complementar - O GDF/Metrô-DF propõe a implantação da Previdência Complementar em janeiro de 2015, com a participação dos empregados variando entre 3 e 4% do salário base;
5 – Redução de jornada de trabalho de 8 para 6 horas - O GDF/Metrô-DF não pode acatar a proposta porque a redução de horas prejudicaria o serviço de transporte à população pela diminuição do número de empregados para operação do sistema, e resultaria em um reajuste significativo de salário pela diminuição da carga horária. Cabe lembrar que não existe autorização legal para este procedimento. Para melhorar ainda mais a qualidade dos serviços prestados aos usuários, o GDF/Metrô-DF realiza neste domingo, 13 de abril, concurso público para contratar mais 232 empregados, incluindo cadastro reserva.
Na primeira audiência de conciliação, realizada no dia 9 de abril, no TRT-10, o Sindmetrô/DF condicionou a suspensão do movimento grevista por 48 horas desde que os dias parados não fossem descontados. Para proporcionar esse serviço fundamental à população, o Metrô-DF concordou com o pagamento para avançar no acordo.
O GDF/Metrô-DF continua aberto à negociação com a categoria no objetivo de garantir a operação do Metrô para atendimento aos seus usuários. A retomada da greve não contribuirá no processo de negociação, pois além de ser uma afronta ao TRT-10 e ao Ministério Público do Trabalho, que são interlocutores oficiais da negociação em curso, é também um descaso com a população que depende deste serviço fundamental.
O GDF/Metrô-DF reafirma que atuará junto ao TRT-10 para assegurar o serviço de transporte do metrô do Distrito Federal."
Fonte: Da redação do Jornal de Brasília/http://www.jornaldebrasilia.com.br/noticias/cidades/542753/por-unanimidade-greve-continua/
SGT JOSENY LOPES 14042014
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial