terça-feira, 17 de junho de 2014

Não à PEC 51: “Se existe um serviço democrático no Brasil, é o da Polícia Militar”

Não à PEC 51: “Se existe um serviço democrático no Brasil, é
 o da Polícia Militar”
Não à PEC 51: “Se existe um serviço democrático no Brasil, é o da Polícia Militar”
A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 51, que traz mudanças profundas na política de segurança pública no Brasil, parece estar muito longe de ser aprovada. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, já estaria adiantando às autoridades da área que a presidente Dilma Rousseff não é a favor da aprovação. Um artigo publicado pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal dá detalhes sobre o assunto e nos faz refletir sobre determinados aspectos:
Só a nata?
Segundo o texto, a alta cúpula da segurança pública nos estados se posiciona contrária à aprovação da PEC. Seriam os secretários de segurança, os comandantes dos batalhões (PM e Bombeiros), dentre outras autoridades. A pergunta é: E a opinião da maioria dos profissionais do setor sobre o assunto?
Como muda...
O artigo diz que, segundo o ministro, “o país precisa de Polícias Militares fortes e de uma Polícia Judiciária eficiente nas investigações.” Até aí nada a se discordar. O que soa estranho é o governo federal, cuja linhagem político-ideológica sempre [aparentemente] torceu o nariz diante do militarismo na polícia, agora prega o fortalecimento da corporação. Nova pergunta a ser feita: “Em que sentido será esse fortalecimento?”
“Massageando o ego”...
Das duas, uma: ou o ministro Cardozo pirou de vez, ou o ParaibaemQAP está coberto de razão quando opina sobre a eficácia do pensamento sociológico acerca de determinadas circunstâncias do cotidiano policial. Nós esperávamos ‘tudo’ de um ministro de esquerda, menos o que ele haveria de dizer sobre as ideias de um dos pensadores mais evidenciados no momento – o sociólogo Luiz Eduardo Soares –, um dos principais responsáveis pelo texto da PEC 51: “A proposta tem mais caráter ideológico e sociólogo do que prático.” Parece que o governo Dilma enjoou do discurso demasiadamente ‘humanista’ na segurança pública...
Essa é pra BOMBAR!!!
O ministro Cardozo encheu os olhos d'água ao ouvir (segundo o artigo) a opinião do presidente do Conselho dos Comandantes Gerais das Polícias Militares, coronel Márcio Martins Sant’Ana, sobre a chamada desmilitarização das PMs no Brasil:
“Se existe um serviço democrático no rol dos serviços públicos, é o serviço da Polícia Militar.”
Com a palavra, os militares.
*Se desejar, veja o artigo completo clicando aqui.

CANDIDO 17062014
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial